Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

Dia Internacional da Mulher 2021 - Livro "O Longo Caminho para a Igualdade"

08.03.21

O Dia Internacional da Mulher comemora-se a 8 de março.

História do Dia da Mulher

A data surgiu pela primeira vez a 19 de março de 1911 na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça.

O dia tem vindo a ser comemorado em vários países do mundo, de forma a reconhecer a importância e contributo da mulher na sociedade.

Outro dos objetivos por detrás da origem do Dia Internacional da Mulher é recordar as conquistas das mulheres e a luta contra o preconceito, seja racial, sexual, político, cultural, linguístico ou económico.

Em 1975, as Nações Unidas promoveram o Ano Internacional da Mulher e em 1977 proclamaram o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher.

Origem do Dia Internacional da Mulher

Há várias explicações para a origem do Dia Internacional da Mulher ser 8 de março.

Uma delas é a própria luta das mulheres operárias por mais direitos e melhores condições de vida nas fábricas. Junte-se a isso, ao movimento sufragista que reivindicava o direito ao voto.

O 8 de março foi escolhido porque neste dia, em 1917, as mulheres russas protestaram exigindo melhores condições de vida. A manifestação reuniu mais de 90 mil pessoas e data tornou-se oficial em 1917.

Em 1977, a ONU reconheceu esta data como o Dia Internacional da Mulher.

"O longo caminho para a igualdade - mulheres e homens no século XXI"

As escritoras e autoras da coleção Uma Aventura, Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada aceitaram o desafio da Imprensa Nacional — em parceria com o iGen-Fórum de Organizações para a Igualdade, que agrega 69 organizações — para escreverem um livro sobre o tema da Igualdade de Género e, escolheram uma rapariga como protagonista do livro sobre “a igualdade de direitos e oportunidades” entre mulheres e homens. Chama-se "O longo caminho para a igualdade-mulheres e homens no século XXI".

“A melhor forma de as pessoas pensarem sobre os assuntos é colocarem-se na pele de personagens, sobretudo os jovens, e equacionarem o problema, não de uma forma abstracta, mas numa situação concreta”, considera Isabel Alçada. “Somos diferentes, homens e mulheres, e vamos continuar a ser”, constata Ana Maria Magalhães, assumindo-se grata às sufragistas e às feministas. “Falta o mais difícil: o preconceito que existe dentro de nós (...). São séculos de história e isso não se apaga por decreto”, vinca.

 

A protagonista é então uma rapariga que quer ir para a Força Aérea. “Hoje é permitido e pode fazê-lo, mas como vão as pessoas reagir?” Foi desta pergunta que partiram para acompanhar a reacção dos amigos e suas famílias. “Mesmo as pessoas mais evoluídas” têm “preconceitos que nem sabem que têm”, nota Ana Maria Magalhães.

Ora, o “esquema de valores, princípios e costumes” vigente naturaliza a desigualdade. Veja-se o caso da Força Aérea, onde as mulheres só podem entrar desde 1990: as mulheres têm o direito de lá estar, “mas não é costume” fazerem essa opção. “Estamos muito melhor, mas a igualdade não existe ainda. E a primeira coisa para conseguir melhorar a situação da mulher é ter consciência de que ela não existe”, frisa a ex-ministra da Educação, constatando: “Houve uma mudança abissal.”

À igualdade não se chegará “de um dia para o outro”, mas “a pouco e pouco”, confia Ana Maria Magalhães, acreditando que levará “mais uma geração ou duas”.

As duas autoras, professoras de Português que já publicaram juntas mais de uma centena de livros, assinalam que sempre incluíram protagonistas femininas capazes e determinadas nas suas histórias para crianças e jovens. Por exemplo, a série Uma Aventura conta com duas meninas “aventureiras e despachadas”, inspiradas em duas alunas “reais”, que “eram do século XX, mas já estavam no século XXI”.

Dirigido a adolescentes, rapazes e raparigas, o livro O longo caminho para a igualdade-mulheres e homens no século XXI tem duas partes: uma história de ficção e um conjunto de dados e informações reais. O livro será lançado hoje, segunda-feira, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, num evento de acesso livre, às 16h30, transmitindo em live streaming.