Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

09
Abr15

A Quinta do Mocho: uma Galeria de Arte Pública

Equipa BE

A Quinta do Mocho: uma Galeria de Arte Pública

 

fb660c989648ab82368fcae9016d4ad4

Mural do artista Nomen

 

 

A Quinta do Mocho não é só um bairro social: agora, os seus prédios são telas de uma Galeria de Arte Pública. O Festival O Bairro i o Mundo, que promoveu a iniciativa, foi um dos cinco finalistas para um prémio do Conselho da Europa: o Diversity Advantage Challenge.

 

Foi no Festival O Bairro i o Mundo, em outubro de 2014, que se mostraram ao mundo pela primeira vez as fachadas pintadas. Para Maria Eugénia Coelho, vereadora da Coesão Social e Habitação, Educação e Recursos Humanos, na Câmara Municipal de Loures, o evento foi uma "oportunidade" para as colorir. Tal como em 2013, também se criaram obras nos prédios da Quinta da Fonte.

PORTUGAL QUINTA DO MOCHO

"Grou", escultura com objetos reciclados, Bordalo II

 

Bob-Marley-Tribute-street-art-Mural-O-bairro-e-o-mundo-Loures-6

 "Tributo a Bob Marley", Odeith

 

Na Quinta do Mocho já foram pintadas 22 paredes e meia. Artistas reconhecidos como Pantónio, Utopia, Tamara Alves, Ram ou Bordalo II estão representados, e há outros que também querem participar nesta Galeria de Arte Pública. A lista de espera já tem 24 artistas.

 

ng3600600

 "Matilha", com o artista Ricardo Romero em ação.

 

Entretanto, realizam-se visitas guiadas pela Quinta do Mocho. A primeira, a 28 de Fevereiro, foi orientada por artistas e jovens do bairro e apareceram cerca de 130 pessoas. A próxima é a 28 de Março. Para Hugo Cardoso, da Casa da Cultura de Sacavém, o festival "melhorou bastante os sentimentos de auto-estima e de pertença no bairro." 

 

10982341_747078172078212_9017534765947480360_n

 Visitas guiadas ao bairro. Na imagem, a obra mural de Vespa.

 

"As pessoas viam as pinturas e davam ideias. O Utopia costumava estar na grua com os miúdos, a pintar", recorda Hugo Cardoso. "Todos os dias, as crianças davam passeios pelo bairro para ver o que tinha sido feito. Só houve uma obra que deu problemas, a da cabeça cortada, do Gonçalo Mar. Mas as pessoas falaram com ele e compreenderam a obra."

 

Utopia

 O mural do artista Utopia.

 

df7aaf6338cc57f49f756ea7c1b5a564

 Mural da artista Clam

 

O artista Smile pintou uma girafa numa fachada. Na escola, as crianças do bairro fizeram desenhos de girafas, que deram ao artista. Também decoraram a própria fachada: em cima da pintura de Smile, vêem-se rabiscos infantis, escritos a giz.

ng3600612O artista RAM a pintar "Molécula da Água". Ao fundo, Smile e a sua "Girafa".

 

XPQS2hgXX19718DuRpL9CWcZKU

 "Molécula da Água", RAM

 


ng3600637

O artista Smile a pintar com "spray" uma girafa.

 

images (2)

 "Girafa", Smile

 

Foi em 2000 que a Quinta do Mocho (cujo nome foi entretanto mudado para Terraços da Ponte) realojou as pessoas que viviam em torres "de que só havia a alvenaria". "As famílias saíram dos prédios abandonados da J. Pimenta, mas não foram acompanhadas. Isso criou tensão com a Câmara", explica Rui Monteiro, do gabinete da vereadora Maria Eugénia Coelho. Para propor a pintura destas fachadas, fizeram-se agora várias assembleias populares para explicar o que ia acontecer aos moradores. No bairro moram várias comunidades dos PALOP: a maior parte das pessoas é de origem angolana, mas há ainda cabo-verdianos e moçambicanos, entre outros. "Muitos já nasceram em Portugal."

 

10712377_381320912023199_35874983127937404_o

 Mural dos artistas Nomen, Vespa PDF e Utopia

  

7d28c2b66ff46b8d04046cf1fa59eb08

 O mural do artista Raf.

 

10802044_10152915264617700_5295175219723389382_n

  "Menino a rabiscar", Adres

 

O vídeo da candidatura portuguesa ao Diversity Advantage Challenge, uma das cinco candidaturas finalistas:

 

 

 

No dia 24 de Março foram divulgados os vencedores. Como se sabe, o projeto O Bairro i O Mundo não venceu o concurso mas as obras de arte vão continuar a dar vida e dignidade aos seus espaços edificados. 

 

As notícias sobre a Quinta do Mocho já não são todas negativas. "O bairro foi mais valorizado: passou-se a ideia de que as pessoas podem vir cá. Antes nem entravam, havia esse preconceito." E com ele, concorda Catarina Aidos, do Teatro Ibisco, produtor do festival: "A galeria cria um motivo para as pessoas cá virem." Para quando a sua visita?

 

 Reportagem Espaços & Casas 291, "Quinta do Mocho":

 

 

 

Para saberes mais, vai ao site do Conselho Europeu, à revista Sábado, ao zap.aeiou e à página do Bairro i o Mundo, no FaceBook.

 

NB: Textos editados pela Equipa BE.