Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

A História do Halloween

31.10.14

A História do Halloween

 

Stampa

 

 

O Halloween é uma das celebrações mais antigas e tem a sua origem nos povos celtas - ou talvez ainda antes deles, mas isso não é facto comprovado. Com o decorrer dos séculos, esta festa sofreu influências culturais romanas e cristãs.

 

Os celtas veneravam a Natureza e tinham muitos deuses, mas o deus Sol era o seu preferido: era ele que proporcionava abundância nas colheitas e alimentava o povo, e dirigia as suas vidas segundo o ritmo das estações do ano. Os celtas tinham duas festas importantes durante o ano, as quais coincidiam com os dois ciclos principais da natureza: um por volta do 1.° de Maio, que marcava o início da "estação do sol"; e o outro a 1 de Novembro, que marcava o fim dessa estação e o princípio da "estação sombria e fria". Os celtas celebravam o Ano Novo exatamente no dia 1 de Novembro e chamavam Samhain a esta festa, que começava ainda no dia 31 de Outubro, a véspera do Ano Novo, e durava três dias.

 

Assim, a 31 de Outubro, quando as colheitas já se tinham terminado e os cereais estavam armazenados para o Inverno, os celtas apagavam os fogueiras dos seus lares, vestiam roupas feitas com peles de animais e iam para a floresta ao encontro dos druidas, os sacerdotes celtas. Os druidas estavam reunidos no cimo do monte da floresta de carvalhos - a árvore sagrada dos celtas - e aí tinham acendido novas fogueiras e sacrificavam produtos da colheita e também animais. Enquanto os druidas dançavam à volta das fogueiras, a estação do sol chegava ao fim e começava a estação sombria e fria. Na manhã seguinte, já dia 1 de Novembro, os druidas davam uma acha incandescente a cada família, que a levava de volta para o lar e com ela acendia novas fogueiras para cozinhar os alimentos. Estas fogueiras contribuíam também para aquecer as habitações e para afastar os maus espíritos.

 

Quando os romanos invadiram o resto da Europa levaram consigo muitos dos seus usos e costumes e, assim, a festa céltica do Samhain foi assimilada à festa romana em honra de Pomona, a deusa romana dos frutos e dos jardins, igualmente celebrada por volta do 1.° de Novembro.

 

Com o cristianismo vieram novas práticas religiosas, e no século nono a Igreja Católica fez do dia 1 de Novembro uma festa católica em honra de todos os santos - chamou-se Dia de Todos os Santos. Anos mais tarde, a Igreja considerou o dia 2 de Novembro igualmente um dia de feriado religioso e chamou-lhe Dia dos Defuntos, em homenagem a todas as pessoas já falecidas em cada família. Este dia era celebrado com fogueiras, cortejos e pessoas mascaradas de santos, anjos ou demónios.

 

Contudo, a religião católica não fez esquecer completamente as antigas tradições e, assim, apesar das festas do Samhain céltico e da Pomona romana terem sido assimiladas pelo Dia de Todos os Santos, os seus rituais pagãos continuaram a perpetuar-se, sobretudo na Irlanda. Nos anos 1840 houve uma grande emigração de irlandeses para os Estados-Unidos, e eles levaram consigo as suas tradições e rituais. Anos mais tarde, essas mesmas tradições e rituais voltaram à Europa, mas o nome do dia 31 de Outubro tinha mudado: "véspera do Dia de Todos os Santos" dizia-se em irlandês All Hallow even ou Hallowe'en, o que acabou por dar Halloween.

 

Esta é pois a origem do nome da festa a que hoje em dia chamamos Halloween, com toda a sua magia, espíritos maléficos, fantasmas, esqueletos e crânios do Samhain céltico, da Pomona romana e da festa católica do Dia de Todos os Santos.

 

In DulceRodrigues.info

NB: Texto editado pela Equipa BE.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.