Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

29
Ago15

Ouro, prata e bronze para Portugal no Campeonato da Europa de Patinagem Artística

Equipa BE

 Ouro, prata e bronze para Portugal no
Campeonato Europeu 
de Patinagem Artística

 

 

diogosilva

Diogo Silva

  

 

Portugal conquistou na quinta-feira seis medalhas, três delas de ouro, no terceiro dia de provas do Campeonato da Europa de patinagem artística, a decorrer em Ponte di Legno, na Itália.

 

Os patinadores portugueses José Souto, Mariana Souto e Diogo Silva conquistaram três medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze. 

 

ng052B74A8-9DEA-4DFB-9581-EC6D50ADEF2E

 José Souto e Mariana Souto (Pares de Dança Juniores)

 

 

José Souto, patinador da APA Casa do Benfica de Paredes, foi campeão de solo dance juniores masculinos, e conquistou o ouro em pares de dança juniores, ao lado da colega de equipa Mariana Souto, prata na prova individual feminina, atrás da compatriota Ana Walgode.

 

As outras duas medalhas foram arrebatadas pelo júnior Diogo Silva, prata no combinado (figuras obrigatórias e patinagem livre) e bronze na patinagem livre.

 

Destaque ainda, na prova feminina de solo dance de juniores para o quarto posto de Carolina Varela, que ficou perto de conseguir um pódio totalmente luso.

 

ngF4C90CD2-6899-414E-A254-982767625FC3

Mariana Souto, Carolina Varela e Ana Walgode

 

 

Nesta sexta-feira, Portugal conquistou mais quatro medalhas. Ana Walgode e Pedro Walgode ganharam em pares de dança seniores e, em solo dance masculinos, a representação lusa ganhou as três medalhas, por Ricardo Pinto (ouro), Paulo Santos (prata) e Pedro Walgode (bronze).

 

Ana-PedroWalgode-EuropeuPatArt2015-640x425

Ana Walgode e Pedro Walgode (Pares de Dança Seniores)

 


Em solo dance femininos, Iara Rocha (quarta) e Sílvia Almeida (quinta) ficaram muito perto do pódio.

 

O campeonato tem classificações finais nas especialidades de patinagem livre juniores (femininos e masculinos), combinado juniores (femininos e masculinos), solo dance juniores (femininos e masculinos) e pares de dança juniores.

 

Ao todo, Portugal conquistou dez medalhas: cinco de ouro, três de prata e duas de bronze.

 

In SAPO Desporto c/Lusa e Record

NB: Texto editado pela Equipa BE.

 

28
Ago15

Uma árvore pela floresta

Equipa BE

Uma louvável iniciativa dos CTT...

 

Uma árvore pela floresta

 

11056893_10156030481865192_5325953686937273701_n

 

 

Os CTT e a Associação Quercus desenvolvem, pelo segundo ano consecutivo, a parceria “Uma Árvore pela Floresta” com o objetivo de florestar com espécies autóctones algumas das zonas do nosso País mais afetadas pelos incêndios. Para tal, estão disponíveis os kits “Uma Árvore pela Floresta” nas lojas CTT até 31 de Outubro, em que cada vale comprado irá corresponder à plantação de uma árvore pela Quercus em áreas classificadas do Norte e Centro de Portugal.

 

Pretende-se, com esta campanha, criar e cuidar de bosques autóctones que oferecem uma maior resistência à propagação dos incêndios e são melhores para amenizar o clima, promover a biodiversidade e proteger a nossa paisagem, a água e os solos. 

 

In Quercus.pt

 

20
Ago15

Justino Alves (1940-2015)

Equipa BE

Justino Alves

 

 

966251

Justino Alves junto a "Composição - Figuras simbólicas", óleo s/ tela, 2009.

 

 

Justino Alves nasceu em 1940, no Porto, cidade em que fez a formação artística de base. 

 

Diretor da Academia de Belas-Artes do Funchal entre 1968 e 1970, torna-se, um ano mais tarde, professor da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, onde esteve, ao longo de décadas, ligado a várias gerações de artistas portugueses. Justino Alves era membro "Honoris Causa" da Academia Europeia de Belas Artes.

 

Bolseiro da Fundação Gulbenkian entre 1976 e 1978, estudou em Paris, tendo lá participado nos salões Realités nouvelles e Grand et jeune d'aujourd'hui. Em 1978, regressou a Portugal, onde está representado em vários museus e instituições públicas, assim como em coleções públicas francesas.

 

Foi desenvolvendo a sua carreira de pintor a par da de docente, mostrando o seu trabalho em mais de 20 exposições individuais e 60 coletivas e vendo a sua obra reconhecida com vários prémios nacionais e estrangeiros, nomeadamente, o Prémio Mestre Joaquim Lopes, em 1958, a Medalha de Prata da IV Mostra D'Arte de Roma, em 1965, o Prémio Nacional de Pintura, em 1969, e o Prémio Homenagem dos artistas Portugueses a Almada Negreiros, da secretaria de Estado da Cultura, em 1985. 

 

20121218151623-Composi__o__1981___leo_s._Tela__81.100cm

 "Composição", óleo s/ tela, 1981.

 

20121218150655-Composi__o_3__1983___leo_s._Tela__81.65cm

 "Composição", óleo s/ tela, 1983.

 

 

20121218151338-Composi__o_NM__1968___leo_s._Tela__130.97cm_

 "Composição", óleo s/ tela, 1988.

 

 

20121218151214-Composi__o_com_Forma_Amarela__1991___leos.Tela_160.160cm

 "Composição", óleo s/tela, 1991.

 

 

São de sua autoria os painéis do Hotel Costa Verde, em Espinho, do Supremo Tribunal Administrativo, em Lisboa, e a tapeçaria de Portalegre, disposta no Tribunal de Abrantes, manufacturada a partir de cartões seus. Entre outras obras, é também autor do painel de azulejos no Hotel Lancetour, em Albufeira.

 

Realizou, para o extinto Ballet Gulbenkian, a cenografia e figurinos para o Bailado "Continuum", e também para Grupo Nacional de Bailado, e para um bailado de Carlos Trincheiras.

 

Na área da gravura, trabalhou com os ateliês de António Inverno e Jorge Bastos, assim como com o Centro Português de Serigrafia, em Lisboa, a Cooperativa Árvore, no Porto, e o Centro Arte e Naturaleza, de Madrid.

 

289720_0

Composição abstrata, serigrafia, 1991.

 

 

Sobre o trabalho deste artista plástico, Miguel Justino destaca a forma como, no desenvolvimento da sua pintura "e, ao longo do tempo, foram sendo construídos ciclos temáticos", a partir dos quais a sua expressão evoluiu, "sobressaindo, do seu exercício [da pintura], imagens de proximidade simbólica à realidade ou sugestões abstracionistas desenvolvidas no plano".

 

Formas-Planas-61x50-2007-jpg

"Figuras Planas X", óleo s/ tela, 2007

 

 

Formas-Planas-Alegoria-Figura-e-Ave-II-160x81-2009-1

 "Figuras Planas - Alegoria Figura e Ave II", óleo s/ tela, 2009

 

“Desde muito jovem assumi a Pintura como espaço adequado à sensibilidade que sempre me acompanhou, e o meio por excelência que possibilitaria concretizar uma obra de autor”, escreve o pintor num pequeno texto publicado no site  da galeria do seu filho, a Miguel Justino Contemporary Art.

 

IMG_6809a

 Obras de Justino Alves na galeria Miguel Justino Contemporary Art.

 

 

Justino Alves faleceu na madrugada de terça-feira, dia 18 de agosto de 2015.

 

In Público e JN

 

NB: Texto editado pela Equipa BE.

 

20
Ago15

Aparências - Coca-Cola

Equipa BE

Aparências (Coca-Cola)

 

A nova campanha publicitária da Coca-Cola no Médio Oriente que tem tido um grande impacto em todo o mundo: "Rótulos são para latas, não para pessoas.” 


A marca tem-se empenhado em promover uma vida sem pré-julgamentos baseados em aparências e primeiras impressões. Para isso, seis pessoas totalmente diferentes e com estilos de vida distintos são convidadas a sentarem-se a uma mesa e a conversarem, numa sala completamente às escuras... 

O resultado é impressionante e proporciona uma série de reflexões morais e uma intensa discussão sobre valores, princípios, igualdade e preconceitos.

 

 

 

 

NB: A tradução e legendagem são brasileiras.

 

 

19
Ago15

Dia Mundial Humanitário

Equipa BE

Dia Mundial Humanitário

 

O dia 19 de agosto foi designado Dia Mundial Humanitário pela Assembleia Geral das Nações Unidas, na sua sessão plenária de 11 de dezembro de 2008, para homenagear todos os trabalhadores humanitários e funcionários das Nações Unidas que perderam as suas vidas no cumprimento das suas missões e a trabalhar na promoção da causa humanitária, apoiando as vítimas de conflitos armados. Na mesma ocasião foi aprovada a proposta da Suécia sobre o "Fortalecimento da Coordenação da Assistência Humanitária de Emergência das Nações Unidas".

 

A resolução convida todos os Estados-Membros - o sistema das Nações Unidas - dentro dos recursos existentes, bem como outras organizações internacionais e organizações não-governamentais, a observar anualmente esse dia, que também é o Dia da Memória dos Trabalhadores Humanitários que foram mortos no exercício do seu trabalho.

  

O dia 19 de agosto corresponde ao dia em que o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Sérgio Vieira de Mello, designado como representante especial do Secretário Geral das Nações Unidas para o Iraque, além de outros 21 funcionários e colaboradores da ONU em Bagdade morreram tragicamente, durante o cumprimento de missão de paz, em 2003.

 

O OCHA, Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários lidera o planeamento e orientação das celebrações do Dia Mundial Humanitário pelos governos, pelas Nações Unidas, pelas organizações humanitárias internacionais e ONGs de todo o mundo.

 

O Dia Mundial Humanitário foi comemorado pela primeira vez em 19 de agosto de 2009. Em 2012 a cantora norte-americana Beyoncé Knowles foi nomeada embaixadora da causa. Beyoncé doou a sua música "I Was Here", do seu 4.º álbum de estúdio para o projeto que ganhou o nome de "I WAS HERE". Em 19 de agosto de 2012 Beyoncé gravou um videoclipe ao vivo na sede da ONU em Nova Iorque .

 

In Wikipédia

NB: Texto editado e adaptado para a oralidade portuguesa pela Equipa BE.

 

Beyoncé — "I was here":

 

 

 

 

16
Ago15

Eça de Queiroz (1845-1900)

Equipa BE

Eça de Queiroz 

 

Eça-de-Queirós-Retrato2

 

 

Eça de Queiroz (1845-1900) foi um dos maiores escritores portugueses. O Crime do Padre Amaro, publicado em 1875, foi o seu primeiro grande trabalho, marco inicial do Realismo em Portugal e foi considerado o melhor romance realista português do século XIX. Eça foi o único romancista português que conquistou fama internacional nessa época. A crítica social unida à análise psicológica aparece também nos livros O Primo Basílio, O Mandarim, A Relíquia e Os Maias.

 

Eça de Queiroz nasceu no dia 25 de novembro de 1845, na cidade de Póvoa de Varzim, Portugal, filho da fidalga portuguesa D. Carolina Augusta Pereira de Eça e de José Maria d`Almeida de Teixeira de Queirós, nascido no Rio de Janeiro, Brasil, em 1820. O seu pai foi juiz da Relação e do Supremo Tribunal de Justiça, presidente do Tribunal do Comércio, deputado por Aveiro, fidalgo cavaleiro da Casa Real, par do Reino e do Conselho de Sua Majestade. Foi ainda escritor e poeta, e o juiz instrutor do célebre processo do escritor Camilo Castelo Branco.

 

feq6_rosto_2

 Os pais de Eça de Queiroz.

 

 

Eça foi aluno interno do Colégio da Lapa na cidade do Porto, onde terminou os estudos secundários. Em 1861 matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. 

 

No ambiente boémio da cidade universitária de Coimbra, Antero de Quental, Eça de Queiroz, Oliveira Martins, entre outros jovens intelectuais, reuniam-se para trocar ideias, livros e formas para a renovação da vida política e cultural portuguesa, que estava a viver uma autêntica revolução com os novos meios de transportes ferroviários, que traziam todos os dias novidades do centro da Europa, influenciando esta geração com as novas ideologias. Foi o início da Geração de 70.

 

Este grupo da Escola de Coimbra insurgir-se-ia em 1865 contra o grupo de escritores de Lisboa, a chamada Escola do Elogio Mútuo, numa polémica em torno do confronto literário com os ultra românticos do "Bom senso e do Bom gosto". Esta polémica ficou conhecida por Questão Coimbrã e é considerada a semente do Realismo em Portugal. Foi encabeçada por Antero de Quental e Teófilo Braga contra António Feliciano de Castilho. 

 

Mais tarde, em Lisboa, os agora licenciados formariam o Grupo do Cenáculo e reunir-se-iam no Casino Lisbonense, para discutir os temas de cada reunião, que acabaria por ser proibida pelo governo.

 

 

0001c871

 Participantes da Geração 70, da Questão Coimbrã

e Conferências do Casino Lisbonense. 

 

 

Tendo Eça terminado o curso de Direito em 1866, fixou-se em Lisboa, exercendo simultaneamente advocacia e jornalismo. Dirigiu o Distrito de Évora e participou na Gazeta de Portugal com folhetins dominicais que seriam mais tarde editados em volumes com o título Prosas Bárbaras.

 

Em 1869 assistiu à inauguração do Canal do Suez em companhia de D. Luís de Castro, quinto Conde de Resende, irmão da sua futura mulher, D. Emília de Castro Resende. Viajou pela Palestina e aí registou notas de viagem que usou na sua criação literária, nomeadamente nas obras O Egipto e A Relíquia.

 

Por influência do seu companheiro e amigo universitário, Antero de Quental, entregou-se ao estudo de Proudhon e aderiu ao grupo do Cenáculo. Em 1870, tomou parte ativa nas Conferências do Casino (marca definitiva do início do período realista em Portugal). Ainda nesse ano, em colaboração com o escritor Ramalho Ortigão, escreveu o romance policial O Mistério da Estrada de Sintra, e em 1871, As Farpas, sátiras à vida social, publicadas em fascículos.

 

 

grupo_cenaculo_g

 O Grupo do Cenáculo (da esq. para a dta.): Eça de Queiroz, 

Oliveira Martins, Antero de Quental, Ramalho Ortigão e Guerra Junqueiro.

 

 

Eça de Queiroz profere em conferência o tema "O Realismo Como Nova Expressão de Arte", no Casino Lisbonense, em 1871.

 

Em 1870 ingressou na Administração Pública, sendo nomeado administrador do concelho de Leiria. Foi na cidade do rio Lis que elaborou O Crime do Padre Amaro. Tendo ingressado na carreira diplomática, em 1873 foi nomeado cônsul de Portugal em Havana.

 

Os anos mais produtivos de sua carreira literária foram passados em Inglaterra, entre 1874 e 1878, durante os quais exerceu o cargo em Newcastle e Bristol. Em Inglaterra escreveu então alguns dos seus trabalhos mais importantes, como A Capital, escrito numa prosa hábil, plena de realismo, iniciou a escrita d` O Primo Basílio e começou a arquitetar Os Maias, O Mandarim e A Relíquia. Manteve a sua atividade jornalística, publicando esporadicamente no Diário de Notícias, em Lisboa, a rubrica «Cartas de Inglaterra». Mais tarde, em 1888, seria nomeado cônsul em Paris. 

 

 

Eca_de_Queiros

"Eça de Queiroz", uma caricatura de
Rafael Bordalo Pinheiro
(in Álbum das Glórias)

 

 

Em 1885 visita em Paris, o escritor francês Émile Zola.

 

Em 1886, casou com D. Maria Emília de Castro Pamplona Resende, irmã do quinto Conde de Resende. O casal teve quatro filhos: Maria, José Maria, António e Alberto.

 

QUINTA DE SANTO OVÍDIO - EÇA DE QUEIROZ E D. EMÍLIA DE CASTRO

 Eça de Queiroz e esposa na Quinta de Sto. Ovídeo.

 

 

Em-lia de Castro e filhos

A Senhora D. Emília de Resende Queiroz e os seus filhos
(da esq. para a dta): Alberto, António, José, Maria.

 

 

eca4

 Eça com os filhos José e Maria.

 

 

Em 1888, Eça tornou-se cônsul de Paris. Publica o romance Os Maias onde se observa uma mudança na atitude irreverente de Eça de Queiroz. Segundo o crítico João Gaspar Simões, o autor "deixa transparecer os mistérios do destino e as inquietações do sentimento, as apreensões da consciência e os desequilíbrios da sensualidade" e publica na imprensa a Correspondência de Fradique Mendes e A Ilustre Casa de Ramires. Nesta nova fase literária, Eça deixa transparecer uma descrença no progresso. Manifesta a valorização das virtudes nacionais e a saudade da vida no campo, com os romances A Ilustre Casa de Ramires e A Cidade e as Serras, o conto Suave Milagre e as biografias religiosas.

 

Nos últimos anos, escreveu para a imprensa periódica, fundando e dirigindo a Revista de Portugal. Sempre que vinha a Portugal, reunia-se em jantares com o grupo dos Vencidos da Vida, os acérrimos defensores do Realismo que se sentiram falhar em todos os seus propósitos.

 

Vencidos_da_Vida

Os Vencidos da Vida (fotografia de P. Marinho, in Brasil-Portugal, a. II, 1900):
António Maria Vasco de Melo César e Meneses, Luís Augusto Pinto de Soveral,
Carlos Félix de Lima Mayer, Francisco Manuel de Melo Breyner, Guerra Junqueiro,
Ramalho Ortigão, Carlos Lobo d'Ávila, Bernardo Pinheiro Correia de Melo,
Eça de Queirós e J. P. de Oliveira Martins

 

 

José Maria Eça de Queiroz faleceu em Paris, no dia 16 de agosto de 1900.

 

Para saberes mais, visita a Fundação Eça de Queiroz (clica na imagem abaixo):

 

FEQ

 

 

 

Para veres a lista das obras de Eça de Queirós, clica nas palavras abaixo:

 

Cronologia das obras publicadas em vida


Cronologia das obras publicadas postumamente

 

In e-Biografiasjbo.no.sapo.pt, WikipédiaC.I.T.I.Fundação Eça de Queiroz, Antunes PortefólioEstadão/A Biblioteca de Raquel

NB: Texto editado pela Equipa BE.

 

 
16
Ago15

Horizontes da Memória — "Tempo e Alma de Eça de Queiroz"

Equipa BE

Horizontes da Memória — "Tempo e Alma de Eça de Queiroz", programa sobre o tempo de Eça de Queiroz e a sua obra, no ano em que se comemoraram 100 anos sobre a sua morte. História de Portugal contada a partir das grandes personalidades que fizeram a História do nosso pais, pelo prof. José Hermano Saraiva (RTP2, 2000).

 

 

 

15
Ago15

Assunção de Nossa Senhora

Equipa BE

Assunção de Nossa Senhora

 

 

ASSUNCAO_DA_VIRGEM_1632

 "Assunção da Virgem", Nicolas Poussin, óleo s/ tela,1630

 

 

A Assunção de Nossa Senhora é celebrada anualmente a 15 de agosto.

 

Os cristãos acreditam que aquando da morte de Virgem Maria, esta foi transportada em corpo e alma até aos céus.

 

Assim, a festa da assunção para o céu da Virgem Maria é celebrada como a "Solenidade da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria" pelos católicos.

 

Em Portugal, no dia 15 de agosto celebram-se romarias e festas religiosas em várias localidades. 

Feriado de Assunção de Nossa Senhora

Este dia da Assunção de Nossa Senhora é feriado em Portugal. Não foi um dos feriados religiosos eliminados pelo governo. Estes foram o Dia de Todos os Santos e o Dia de Corpo de Deus. 

 

In Calendarr.Portugal

 

Pág. 1/3