Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

24
Dez14

O Natal da Lebre e do Urso

Equipa BE

"O Natal da Lebre e do Urso" é uma história encantadora, criada para o anúncio comercial da loja John Lewis, com uma canção do grupo britânico Keane, cantada por Lilly Allen. 

Numa linda floresta, onde todos os animais se preparam para celebrar o Natal em torno de um grande pinheiro decorado, apenas o pobre urso nunca pode estar presente porque se encontra a hibernar. Então, a lebre tem uma ideia brilhante... 

 

 

 

 

Esta curta-metragem foi realizada com recurso às técnicas de animação 2D e de animação de volumes ("Stop-motion"), num cenário 3D, como podes ver abaixo, no vídeoclipe musical do "making of".

 

 

 

16
Dez14

Entrega dos Prémios do Concurso de Leitura Expressiva 2014/15

Equipa BE

Como foi anunciado, foram atribuídos os prémios do Concurso de Leitura Expressiva - 3.ºCiclo, durante a Festa de Natal da nossa escola. A todas as alunas foi entregue um certificado de participação e às alunas vencedoras, o livro Expressões com História, de Alice Vieira, com ilustrações de Pedro Cabral.

  

Parabéns, mais uma vez, e votos de boas leituras nas férias!

 

IMG02255

 

IMG02258

 

16
Dez14

Expressões com História, Alice Vieira

Equipa BE

9789724743226

 

 

Para aguçar a vossa curiosidade, do livro Expressões com História, de Alice Vieira, com ilustrações de Ricardo Cabral, publicamos a explicação de uma expressão idiomática muito utilizada: "Andar à nora".

 

Esta é uma leitura recomendada pelo Plano Nacional de Leitura e, quando quiserem, podem também vir requisitar o livro à vossa biblioteca escolar...

 

 

 

  

"Andar à nora", o que é isso?

Acr34662692252992-14795.tmp.pdf

 NB: Clica em cima da imagem para a aumentares e poderes ler melhor a história.

 

 

 

16
Dez14

Ludwig van Beethoven (1770-1827)

Equipa BE

Ludwig van Beethoven

 

carta_beethoven_1

 


Ludwig van Beethoven nasceu em 16 de dezembro de 1770, em Bonn, Alemanha. 

O avô era músico. Trabalhava como Kappelmeister (diretor de música da corte) do eleitor de Colónia e era um artista respeitado. O seu filho, Johann, que viria a ser o pai de Ludwig, era menos talentoso, seguiu-o na carreira, mas sem igual êxito. Depois da morte do pai, entregou-se ao alcoolismo, o que traria muitos problemas emocionais ao seu filho Ludwig.

Johann percebeu que o pequeno Ludwig tinha talento incomum para música e tratou de encaminhá-lo para a carreira de músico do eleitor. Mas fê-lo de forma desastrosa. Obrigava o filho a estudar música horas e horas por dia, e batia-lhe frequentemente. A educação musical de Beethoven assumiu aspetos de verdadeira tortura.

Desde os treze anos que Ludwig passou a ajudar no sustento da casa, já que o pai se afundava cada vez mais na bebida. Trabalhou como organista, cravista ensaiador de teatro, músico de orquestra e professor, e assim, precocemente, assumiu a chefia da família. Era um adolescente introspectivo, tímido e melancólico, frequentemente imerso em devaneios e distrações.

Em 1784, Beethoven conheceu um jovem conde, de nome Waldstein, e tornou-se amigo dele. O conde reparou no talento do compositor e enviou-o para Viena, para que se tornasse aluno de Mozart. Mas tudo leva a crer que Mozart não lhe deu muita atenção, embora reconhecendo seu génio.

Apenas em 1792 Beethoven haveria de partir definitivamente para Viena, por intermédio do conde Waldstein. Desta vez, Ludwig havia sido aceite como aluno de Haydn - ou melhor, "papá Haydn", como o novo pupilo o chamava. A aprendizagem com o velho mestre não foi tão frutífera quanto se esperava. Haydn era afetuoso, mas um tanto descuidado, e Beethoven logo tratou de arranjar aulas com outros professores, para complementar os seus estudos.

Os seus primeiros anos vienenses foram tranquilos, com a publicação de seu Opus 1, uma coleção de três trios, e a convivência com a sociedade vienense, que lhe fora facilitada pela recomendação de Waldstein. Era um pianista virtuoso de sucesso nos meios aristocráticos, e soube cultivar admiradores. Apesar disso, acreditava nos ideais revolucionários franceses.

Então surgiram os primeiros sintomas da grande tragédia beethoveniana - a surdez. Em 1796 começou a queixar-se, e foi diagnosticada uma congestão dos centros auditivos internos. Tratou-se com médicos e melhorou a sua higiene, a fim de recuperar a boa audição que sempre teve, e escondeu o problema de todos o máximo que pôde. Só dez anos depois, em 1806, revelou o problema, numa frase anotada nos esboços do Quarteto nº. 9: "Não guardes mais o segredo de tua surdez, nem mesmo na tua arte!".

 

No terreno sentimental, uma carta surge como importante documento histórico: a Carta à Bem-Amada Imortal. Beethoven nunca se casou, e sua vida amorosa foi uma coleção de insucessos e de sentimentos não-correspondidos. Apenas um amor correspondido foi realizado intensamente mas Ludwig permaneceria solteiro.


Em 1815, o seu irmão Karl morreria, deixando um filho de oito anos para a mãe e Ludwig cuidarem. No entanto, Beethoven nunca aprovou a conduta da mãe dessa criança - também Karl - e lutou na justiça para ser o seu único tutor. Foram meses de um desgastante processo judicial que acabou com o ganho de causa dado ao compositor. Dali em diante Beethoven teria de cuidar de uma criança, ele que sempre fora desajeitado na vida doméstica.

Nos anos seguintes, Beethoven entraria em grande depressão, da qual só sairia em 1819, e de forma exultante. A década seguinte seria um período de supremas obras-primas: as últimas sonatas para piano, as Variações Diabelli, a Missa Solene, a Nona Sinfonia e, principalmente, os últimos quartetos de cordas.

Foi nessa atividade, cheio de planos para o futuro (uma décima sinfonia, um réquiem, outra ópera), que ficou gravemente doente - pneumonia, além de cirrose e infeção intestinal. No dia 26 de março de 1827, morreria Ludwig van Beethoven - segundo a lenda, levantando o punho num último combate contra o destino.

A Sua Obra

Beethoven é reconhecido como o grande elemento de transição entre o Classicismo e o Romantismo. De facto, ele foi um dos primeiros compositores a dar papel fundamental ao elemento subjetivo na música. "Saída do coração, que chegue ao coração", disse a respeito de uma de suas obras. Toda a obra beethoveniana é fruto da sua personalidade sonhadora e melancólica, um tanto épica, verdadeiramente romântica.

Beethoven dedicou-se a todos os géneros musicais da sua época. Compôs uma ópera, Fidelio, com seu tema tipicamente beethoveniano - fidelidade conjugal e o amor pela liberdade -, música para teatro (destaque para a abertura Egmont), balé (As Criaturas de Prometeu), oratório (Cristo no Monte das Oliveiras), canções (o ciclo À Bem-Amada Distante é bem representativo), duas missas (entre elas a monumental Missa Solene), variações (as Variações sobre uma Valsa de Diabelli são as mais conhecidas) e obras de forma livre (a Fantasia para Piano, Coro e Orquestra é uma delas).

Porém, Beethoven ficaria mais conhecido pelos quatro grandes ciclos dedicados às formas clássicas: as sonatas, os concertos, os quartetos de cordas e, claro, as sinfonias. 


"Escutar atrás de si o ressoar dos passos de um gigante". A definição famosa de Brahms da Nona Sinfonia pode ser aplicada igualmente à toda obra beethoveniana, uma das maiores e mais profundamente humanas de toda História da Música.

 

In GéniosMundiais

NB: Texto editado pela Equipa BE

Pág. 1/8