Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

BE Castanheira de Pera

Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto - Castanheira de Pera

28
Fev14

Frase da Semana

Equipa BE

Não existe som mais espetacular do que o de uma bateria de escola de samba na época do Carnaval. Sempre mexeu comigo e faz o sangue correr mais rápido e mais quente nas minhas veias. A bateria de grupos de jazz não me toca a mínima.”

   

 

 

 

  

 

   Carmen Miranda (1909-1955)

   (Cantora e atriz luso-brasileira)

     Retrato pintado por José Luís Benício

28
Fev14

Carnaval — História e Origem

Equipa BE
Carnaval - História e Origem

 

 

Carnaval é sinónimo de diversão e de festa. Costuma ouvir-se dizer que “a vida são dois dias e o carnaval são três”, frase esta, que demonstra perfeitamente a forma intensa como o carnaval é vivido pelos aficionados desta festividade. 
Mas, afinal, qual é a origem do Carnaval?

 

As teorias e opiniões são diversas, tanto em relação ao local do surgimento, como em relação à origem da palavra que dá nome à comemoração. No entanto, há pontos para os quais todas convergem. A transgressão, o corpo, o prazer, a carne, a festa, a dança, a música, a arte, a celebração, a inversão de papéis, as cores e a alegria.  

Origem da palavra “Carnaval”    


Quanto à origem da palavra, são apontadas duas possibilidades muito diferentes na origem e no conteúdo. 


A primeira possibilidade é a oposição entre a ordem e a desordem, entre a representação e a vontade. Desta forma, a palavra é originária do vocábulo latino “Carrum Navalis” , que eram os carros navais que faziam a abertura das Dionísias Gregas nos séculos VII a.C. e VI a.C., momento este em que a euforia e a inversão de valores se estendiam pelas ruas das cidades. 


A segunda possibilidade é de origem cristã. A palavra pode ter surgido quando Gregório I, em 590 d.C. transferiu o início da Quaresma para quarta-feira, antes do sexto domingo que antecede a Páscoa. Ao domingo anterior deu o nome de “carne levamen”, que representa a acção de “tirar a carne”. Na terça-feira de carnaval, seria o último dia em que era permitido comer carne, pois, de seguida, viriam os 40 dias de jejum até à Quaresma.
 
Surgimento da Festividade


Quanto ao surgimento também não há consenso. Há quem divida a história do carnaval em quatro períodos: o Originário, de 4000 a.C. ao séc. VII a.C.; o Pagão, desde o séc. VII ao séc. VI d.C.; o Cristão, desde o séc. VI d.C. ao séc. XVIII d.C. e o Contemporâneo, desde o séc. XVIII até ao momento. 


No Egipto, os povos primitivos realizavam diversos cultos, desde os sérios aos cómicos, nestes, convertiam as suas divindades em objectos de burla e blasfémia. Em alternativa aos heróis surgiam os sósias paródicos. Outra hipótese apontada para que o carnaval tenha surgido no Egipto é a de que a comemoração iniciou como uma espécie de culto feito para agradecer uma boa colheita, onde as pessoas se mascaravam, dançavam e bebiam. Outra explicação apontada é a de que os povos dançavam e cantavam, mascarados em volta da fogueira, como forma de mostrar a inexistência de classes sociais. 


Há, também, quem defenda que o carnaval teve origem na Grécia, quando surgiu a agricultura, as pessoas passaram a comemorar a fertilidade e a produtividade do solo. Na Grécia, era usual fazer-se a teatralização colectiva, onde todos os papéis eram invertidos. Neste momento o povo “acertava contas” com os governantes. Nesta altura, o miserável vestia-se de rei, o rico de pobre, o libertino de líder religioso e os homens de mulheres. Aqui, virava-se o mundo ao contrário. 


Em Roma, as comemorações do carnaval, realizavam-se entre os meses de Novembro e Dezembro. Estas comemorações levavam a uma aparente quebra da hierarquia social, quando todos se misturavam na praça pública com muito sexo e muita bebida. Na época das comemorações as escolas e os tribunais encerravam as portas. A festa era composta por corridas de cavalos, desfiles de carros alegóricos, guerras de papelinhos, corridas de corcundas e lançamento de ovos, entre outras diversões. 


O carnaval, apesar de não ser bem visto pela igreja, por ser de origem pagã e obscena, foi ganhando algum significado. A igreja determinou que a folia carnavalesca deveria ser realizada antes do inicio da Quaresma, período de jejum e abstinência que antecede a Páscoa. 
A Portugal chegou no séc. XV e XVI com o nome de Entrudo – introdução à Quaresma. Era festejado de forma muito violenta. No final do séc. XIX nas aldeias Portuguesas, o carnaval era o momento da igualdade e da liberdade para todos, nas cidades era considerado uma luta de classes. 
Hoje, o carnaval é considerado a grande manifestação de alegria popular. Um momento de convívio, onde o sarcasmo e a sátira social estão em constante presença. 


Como refere Virgílio Ferreira, “Que ideia a de que no carnaval as pessoas se mascaram. No carnaval desmascaram-se”.

 

Liliana Correia

 

 

Texto de Liliana Correia, extraído de PQ (Porquê) Jornal

 

28
Fev14

Sessão de Cinema: "À Espera de um Milagre"

Equipa BE

Nesta sexta-feira temos cinema: na tua Biblioteca Escolar passa o filme "À Espera de um Milagre" (1999), de Frank Darabont, com os atores Tom Hunks, Michael Clarke Duncan e David Morse, nos principais papéis.

 

Este filme, baseado num livro de Stephan King, narra a história da relação entre Paul Edgecomb, o chefe dos guardas da prisão, e um dos seus prisioneiros, John Coffey, no corredor da morte de uma prisão do estado do Louisiana (EUA). Enquanto se espera a execução da sentença de morte, desenvolve-se entre Edgecombe e Coffey uma relação invulgar baseada na descoberta de que o prisioneiro possui um dom misterioso e milagroso. O guarda fica então num conflito moral entre o cumprimento do dever e a consciência de que o prisioneiro que tem o dever de executar pode não ser o culpado do crime de que é acusado.

 

 

 

 

27
Fev14

O Novo Acordo Ortográfico

Equipa BE

Na tua Biblioteca Escolar e na Entrada da Escola divulgam-se as várias alterações introduzidas pelo Novo Acordo Ortográfico, que já se encontra em vigor em Portugal.

 

Na Biblioteca, no painel informativo da entrada:

 

 

 

 

 

 

 

Nos painéis informativos na entrada da escola:

 

 

 

Publica-se aqui informação adicional, extraída do Espaço da Língua Portuguesa, da Porto Editora:

 

 

"O que é o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa?

 

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa é o diploma que regula e pretende unificar a ortografia da língua portuguesa. Este documento assinado em Lisboa a 16 de dezembro de 1990, pela Academia das Ciências de Lisboa, Academia Brasileira de Letras, delegações de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe e, posteriormente, por Timor-Leste, tendo ainda contado com a adesão da delegação de observadores da Galiza.

O documento encontra-se publicado no Diário da República, n.º 193, I Série-A, e foi aprovado, para ratificação, pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/91, e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 43/91, ambos de 23 de agosto de 1991, pp. 4370-4388, com alterações posteriores publicadas no Diário da República, n.º 256, I Série-A, aprovadas pela Rectificação n.º 19/91, de 7 de novembro, p. 5684.

 

O Acordo Ortográfico já se encontra em vigor em Portugal?

 

Nos termos do Aviso n.º 255/2010 do Ministério dos Negócios Estrangeiros, publicado no Diário da República, n.º 182, 1.ª série, de 17 de setembro de 2010, p. 4116, o Acordo Ortográfico já se encontra em vigor na ordem jurídica interna desde o dia 13 de maio de 2009, em resultado do depósito do instrumento de ratificação do Acordo do Segundo Protocolo Modificativo ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, como previa a Resolução da Assembleia da República n.º 35/2008, pp. 4802-4803, e o Decreto do Presidente da República n.º 52/2008, p. 4784, ambos publicados no Diário da República, 1.ª série, n.º 145, de 29 de julho de 2008.

Vários órgãos de comunicação social já adotaram a nova ortografia e foi calendarizada a sua aplicação no sistema educativo português no ano letivo de 2011-2012 pela Resolução do Conselho de Ministros n.º8/2011, pp. 488-489, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 17, de 25 de janeiro de 2011. A partir de 1 de janeiro de 2012, todos os serviços, organismos e entidades do Governo, bem como as publicações oficiais, terão também a sua grafia adaptada.

 

Se a língua portuguesa é unificada, todos os falantes de português irão falar da mesma forma?

 

Não. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) é meramente ortográfico, afetando apenas a ortografia (escrita) das palavras. A forma falada não irá sofrer alterações, pelo menos a curto prazo. Algumas grafias são alteradas no sentido de unificar a língua portuguesa, usando o princípio fonético apenas como um dos meios dessa unificação ortográfica.

 

Em Portugal, há um vocabulário oficial?

 

Sim. O Vocabulário Ortográfico do Português (VOP), elaborado pelo ILTEC e disponível no Portal da Língua Portuguesa, foi oficializado juntamente com o conversor Lince como instrumentos legais para aplicação do acordo ortográfico, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º8/2011, pp. 488-489, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 17, de 25 de janeiro de 2011."

 

 

25
Fev14

Hora dos Ouriços e Rebuliços: São Valentim

Equipa BE

Na semana do Dia de São Valentim, na Hora dos Ouriços e Rebuliços da BE no Jardim de Infância, foi contado aos alunos o conto do "Príncipe-Sapo", dos Irmãos Grimm. Depois, com o príncipe-sapo em lugar de honra na mesa, os alunos ilustraram a parte da história de que mais gostaram — o encontro da princesa com o príncipe-sapo e o pedido que ele fez à princesa: um beijinho...

 

Mas muitas perguntas surgiram, então: como desenhar um sapo? Vamos olhar para o sapo, ele é gordo ou magro? Como são os olhos? Como é a boca? Quantas pernas tem? Como são as patas? É bonito? É feio? Como sabemos que ele é um príncipe? Como se faz um coração? Como é a princesa? É bonita? E o vestido dela, como é?... Tantas coisas em que um artista tem de pensar!

 

E aqui ficam os resultados:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/8